Na Rota da Precariedade

União Lisboa-CGTP-IN já está a meio caminho da Rota contra a precariedade. Iniciamos a Rota junto aos trabalhadores da SONAE / Azambuja, que massivamente participaram na greve decretada pelo CESP . 2a. Paragem , Catringport um dos locais onde denunciamos que mais de 60% dos trabalhadores são precários. Estivemos também no centro de contacto da PT, na Afonso Costa, com uma grande participação dos trabalhadores, que estavam em plenário e foram receber a caravana contra a precariedade, aqui a grande reivindicação dos trabalhadores continua a ser as admissão nos quadros da Meo Altice. HUMANIZA-te não pode ser só um anúncio é necessário humanizar as relações de trabalho!

Na Rota da Precariedade

27 FEV| Caravana Automóvel

Contra a Precariedade!

A união dos sindicatos de Lisboa- CGTP-IN realiza uma CARAVANA AUTOMÓVEL CONTRA A PRECARIEDADE no dia 27 de Fevereiro com paragem em vários locais de trabalho (abaixo descritos) que culminará pelas 16h30 junto da ACT, Av. Casal Ribeiro.

Mais de um quinto dos trabalhadores na área Metropolitana de Lisboa (22,6) têm um vinculo não permanente (80% dos quais são contratos a termo e 20% contratos de prestação de serviços onde se encontram os recibos verdes), atingindo de forma particular  os jovens e as mulheres.

A precariedade atravessa vários sectores de actividade. Estes trabalhadores encontram-se em situações de grande vulnerabilidade,as suas vidas estão marcadas pela instabilidade a que estão sujeitos, pelos baixos salários que auferem e pela ausência de direitos laborais.

Vamos assinalar um conjunto de  locais de trabalho, através da afixação de uma faixa de Rua “AQUI HÁ PRECARIEDADE! Humanizem-se as relações de trabalho.” Nos locais de trabalho da Sonae e na Afonso Costa, os trabalhadores vão estar na rua.

27 DE FEVEREIRO - PERCURSO DA CARAVANA AUTOMÓVEL

 09h Azambuja (Sonae) (CESP)

11h00 Afonso Costa (PT) – SINTTAV/SNTCT  

12h00 Expo/EDP (SIESI)– Teleperformence (CESP)

14h30 – Novo Banco- Av. Infante D. Henrique (SINTAF)

15h30 -  Junta de Freguesia do Parque das Nações – Parque - Expo

Encerramento: 16h30 – ACT – Casal Ribeiro

Reflexos da Sociedade

Os trabalhadores da Fidelidade, do call center de Évora, vieram concentrar-se junto à sede da empresa, no largo do Calhariz, na sua luta contra a precariedade contaram com a Solidariedade activa de vários sindicatos, nmeadamente: das Uniões de Sindicatos de Evora e Lisboa das direcções regionais dos sindicatos  CESP; SNTCT; SINTAF; SIESI; CENA-STE, da Interjovem e da CGTP-in.

Os Trabalhadores da Administração Pública Param Para o País Avançar!

A Frente Comum dos Sindicatos filiados na CGTP-IN, vão amanhã,  dia 15 de Fevereiro parar, para o país avançar. O Governo PS apesar de criadas as condições para uma efectiva mudança de políticas, tem falhado por opção própria, na tomada de medidas que são cruciais, para a melhoria das condições de vida e de trabalho, dos trabalhadores da administração pública. É espectável com esta greve que haja uma grande perturbação nos serviços públicos em muitas escolas, hospitais, repartições de finanças, Segurança Social, na higiene urbana.
Esta greve é:
- Pelo aumento real dos salários e das pensões, em 4%, com um mínimo de 60 €, nas remunerações até 1500€;
- A revisão da tabela remuneratória única, estabelecendo o SMN de 650€ como primeira posição e subindo as demais posições remuneratórias;
- Contagem de todo o tempo de serviço para efeitos de progressão da carreira.
No comunicado dizem que ...”o Tempo é agora! Avançar pela dignidade dos trabalhadores, pela valorização das carreiras e do Serviço Publico”.

Os trabalhadores do Call Center da Fidelidade, lutam contra a Precariedade

Os Trabalhadores do Centro de Atendimento da Fidelidade de Évora concentraram-se no período da manhã em frente à sede da empresa, em Lisboa. Esta é uma acção promovida pelo  Sindicato dos Profissionais de Seguros e Afins (SINAPSA), que representa estes trabalhadores. O SINAPSA vai continuar a promover durante o mês de Fevereiro, todas as terças-feiras, concentrações com estes trabalhadores, semelhantes àquela que que hoje teve lugar, estas acções realizam-se no âmbito da luta contra a precariedade.

Estes trabalhadores sofrem múltiplas discriminações, trabalham muitos deles em regime de outsorcing desde 2001 e já passaram por várias empresas de trabalho temporário, quando têm formação, equipamentos e o serviço prestado é sempre para a Fidelidade, companhia de seguros. Recebem apenas o SMN e menos 100€, que os trabalhadores do Centro de atendimento em Lisboa. Lutam para que seja aplicado o acordo de empresa entretanto assinado com o sindicato e que abrange somente aos trabalhadores da empresa.

A União dos Sindicatos de Lisboa associa-se à luta contra o assédio Moral no local de Trabalho

A União dos Sindicatos de Lisboa (USL/CGTP-IN) expressa a sua solidariedade com a luta da trabalhadora Cristina Tavares contra a ilegalidade, prepotência, violência e assédio da empresa corticeira Fernando Couto.

Esta é a luta de quem não cruza os braços perante a injustiça. Esta é também a luta de milhares e milhares de trabalhadores portugueses que, diariamente, enfrentam a prepotência e a ilegalidade nos locais de trabalho.

As empresas não são locais vedados à efectivação dos direitos pessoais e colectivos. A democracia, a liberdade e os direitos não podem ficar à porta das empresas.

A luta irá continuar, tanto no plano jurídico como no da acção sindical.

Estamos e estaremos com a luta do Sindicato Sindicato dos Operários corticeiros do norte e com a Cristina Tavares, trabalhadora vítima de assédio no trabalho e de despedimento ilícito, tendo a CGTP anunciado já a próxima acção de solidariedade: um Cordão Humano junto da à Camara Municipal de Santa Maria da Feira, no próximo sábado, 26 de Janeiro, às 15H00.
A Luta Continua!

Em força, na Justiça e na rua!

A Luta dos Bombeiros Profissionais vai continuar!

Centenas de bombeiros protestaram no dia 17 de Janeiro, em frente à Presidência do Conselho de Ministros, numa acção convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) e pelo Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML), pelo direito a uma carreira digna e contra o aumento da idade de aposentação.
Mesmo com a marcação de uma reunião com a Secretaria de Estado da Proteção cívil para o próximo dia 21, na iniciativa ficou claro que a luta vai continuar e que os bombeiros profissionais não vão baixar os braços enquanto o governo não deixar cair estes diplomas que põem em causa a dignidade dos bombeiros profissionais e o socorro vital que prestam à população.
Ver Resolução Aprovada

Greve dos bombeiros profissionais com grande adesão em todo o País

SAPADORES BOMBEIROS EM LUTA PELA VALORIZAÇÃO DA CARREIRA
 
Centenas de  Sapadores Bombeiros de Lisboa concentraram-se no dia 14 de Janeiro, pelas 14h30, junto do Ministério do Trabalho e Segurança Social (Praça de Londres).
 
Esta acção de protesto teve como objectivo, repudiar os projectos de lei do Governo que procuram destruir a carreira do bombeiro profissional e degradar as suas condições de aposentação a níveis inéditos e totalmente inaceitáveis.
 
A proposta do Governo prevêem, a revisão da Carreira especial de Bombeiro que tem como consequência a diminuição da remuneração base de ingresso na carreira, pois está incluindo o subsidio de penosidade e risco e ainda o subsidio de disponibilidade, a título de exemplo, um bombeiro em inicio de carreira fica a receber menos que o SMN.  Foi proposto também num outro diploma, a revisão do regime de aposentação, onde se encontra plasmado o aumento da idade  da reforma para os 60 anos com penalizações.
 
As propostas do Governo, além de revelarem um ataque sem precedentes aos direitos e expectativas destes profissionais, demonstram também uma total irresponsabilidade face aos interesses das populações. No caso de serem aprovadas, colocam em causa a eficiência e qualidade do socorro, ou seja, contribuem para a insegurança de pessoas e bens.  Atacar os Sapadores Bombeiros, é atacar as populações e também os seus direitos!
 
O Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa ( STML) , o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) e os bombeiros profissionais, irão prosseguir a luta. Decretaram um pré-aviso de Greve até ao dia 5 de Fevereiro e a realização de uma concentração em frente ao Conselho de Ministros, já para esta 5ª feira, dia 17 de Janeiro.

Os Trabalhadores da Matutano, Dizem Não à Laboração Contínua!

Mais de 160 trabalhadores da Matutano estiveram concentrados à porta da empresa, no dia 3 de Janeiro. Este foi o segundo dia de Greve, contra a imposição da laboração continua.

A Matutano é uma empresa de produtos alimentares que integra a multinacional PEPSICO, com sede no Carregado/Alenquer. A administração da empresa pretendeu impor, de uma forma unilateral, a partir do dia 2 de Janeiro, a laboração continua. Os trabalhadores filiados no  Sindicato da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), não aceitam esta decisão e decidiram prosseguir com a luta .

Na Laboração continua  a empresa está a funcionar 24 horas por dia,  durante sete dias por semana. A maioria destes trabalhadores ficam sugeitos a um  regime de trabalho,  por turnos e deixam de ter o fim de semana como dias de descanso.  É do conhecimento geral que o trabalho efectuado por turnos, para além dos impactos,  negativos na saúde dos trabalhadores estes, também ficam limitados do ponto de vista das relações familiares humanas, com todas as implicações no seu bem estar e dos seus. Não se justifica que uma empresa de produtos alimentares trabalhe 24 horas por dia, quando não presta serviços essênciais. Nesta acção esteve presente o Secretário Geral da CGTP-IN  Armenio Carlos.

Está em... Home Acção Reivindicativa