Acção reivindicativa

Posição Da CGTP-IN Sobre O Pagamento Da Retribuição Das Férias Em Situação De Lay-Off

A CGTP-IN toma posição, na sequência da publicação do “Esclarecimento da DGERT e ACT sobre as férias gozadas durante o período de aplicação do lay-off’, no qual estas entidades emitiram um conjunto de considerações sobre os efeitos do “Lay-off” no exercício do direito a férias, e tendo em conta a opinião veiculada a respeito do pagamento da retribuição das férias. A CGTP refere no seu documento que o “esclarecimento” feito por estas duas entidades, identificaram uma lacuna onde ela no existe, pois se o regime excepcional não prevê os efeitos do “lay-off” quanto a retribuição das férias, é porque o legislador pretendeu que esses efeitos não existiriam”.

Ler nota aos OCS da CGTP-IN.

Os Trabalhadores Do Lidl Lutam Contra A Redução De Horário E De Salário

O Lidl transforma redução temporário do horário e do salário em definitiva, penalizando os trabalhadores em mais de 150 euros por mês. Em Maio o Lidl pediu aos trabalhadores do seu Entreposto de produtos não alimentares que reduzissem a carga horária, temporariamente, de 40h para 32h semanais, com a consequente redução salarial de 150 euros.

O argumento utilizado pela empresa.... "se assim não fosse teria de haver despedimentos" ou nunca mais os trabalhadores seriam promovidos" a generalidade dos trabalhadores aceitou.

Os trabalhadores posteriormente pediram uma adenda ao contrato e verificaram que tinham sido enganados, porque a redução da carga horária. Face à situação os trabalhadores estiveram em greve no Entreposto de Porto Alto, no dia 20 de Julho.

Leia mais aqui.

Orçamento Suplementar – Prémios Aos Profissionais De Saúde

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) continua a exigir que a compensação do risco e a penosidade se faça pela valorização salarial dos enfermeiros e pela alteração dos critérios para a aposentação.

Alerta para o perigo que constitui, a criação de prémios a ser atribuídos no âmbito da pandemia, nomeadamente o proposto pelo PSD, para além do carácter único e transitório pode potenciar profundas discriminações entre os profissionais (quem esteve ou não no combate) incorre na possibilidade da discricionariedade porque a escolha de quem esteve ou não no combate pode correr o risco de ficar depende do livre arbítrio das administrações, do Ministério da Saúde e do Ministério das Finanças.

Leia mais aqui.

IPO Lisboa: Continua A Discriminação Dos Enfermeiros A CIT

A Direcção Regional de Lisboa do Sindicato do Enfermeiro Portugueses, reuniu com a Administração do IPO Lisboa a 26 de Junho onde debateram vários problemas nomeadamente: a discriminação dos enfermeiros com Contrato Individual de Trabalho; a necessidade de

negociação de um regulamento que possibilite a majoração de dias de férias e a redução do horário de trabalho tal como está previsto para os enfermeiros com Contrato de Trabalho em Funções Públicas. O SEP ficou de enviar uma proposta de regulamento ao C.A, que se mostrou disponível para analisar

Ler mais aqui.

40 Medidas Urgentes Para Defender A Saúde, Os Salários, O Emprego E Os Direitos

A Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção cerâmica e Vidro (FEVICOM)  e  o sindicato dos Trabalhadores da arqueologia  (STARQ)  editaram um comunicado sobre a situação a construção civil que se caracteriza pela manutenção de elevados índices de precariedade, de subcontratação, de baixos salários e de falta de condições de higiene, segurança e saúde no trabalho.

Nas empreitadas de construção civil, trabalham também os arqueólogos, homens e mulheres, que enfrentam problemas idênticos. Com a COVID-19, a situação agravou-se. É notório e constante o incumprimento de medidas de higiene e segurança nos estaleiros e obras; a ausência, em muitos deles, de sanitários, água corrente e sabão/desinfectante de base alcoólica; a inexistência de distância física e de equipamentos de protecção individual adequados. Como agravante, em muitos casos, os directores de obra e técnicos de segurança abandonaram o local da obra (por se encontrarem em teletrabalho).

Esta realidade, em conjugação com um ambiente generalizado de insegurança sanitária e a existência de empresas irregulares, do trabalho informal e da clandestinidade, tem provocado um agravamento e descontrole das condições de higiene, segurança e saúde nas obras, especialmente gravoso para serventes e outros trabalhadores indiferenciados, frequentemente subcontratados de forma temporária e precária, onde se incluem muitos imigrantes.

Os sindicatos propõem 40 medidas, e exigem medidas prioritária e concretas que passam por: mais responsabilidade patronal; medidas ao nível das deslocações de/para o local de trabalho; ao nível dos locais de trabalho estaleiros e obras; nível das condições de alojamento e habitação.

Ler documento.

A União De Lisboa Na Luta Para Defender A Saúde E Os Direitos Dos Trabalhadores

A União dos Sindicatos de Lisboa-CGTP-IN, realizou no dia 25 de Junho, à tarde um desfile que juntou centenas de trabalhadores e activistas sindicais, do Rossio à praça do Município, e contou com a participação da Secretária Geral da CGTP-IN, que alertou para a importância do papel do Estado ....”não é de menos Estado que precisamos, mas de mais e melhor intervenção, de mais investimento, de mais e melhores serviços públicos e de mais trabalhadores com salários e carreiras dignas. Precisamos de um Estado que agarre o desenvolvimento do país”.

Foram muitas as acções de luta desenvolvidas no distrito durante esta Semana, deram voz a milhares de trabalhadores de inúmeros sectores de actividade, empresas e serviços, na sua luta pela defesa da saúde, dos direitos, e do emprego

A região de Lisboa, vive uma situação calamidade social, com impacto significativo com graves repercussões quer no trabalho, quer nos trabalhadores. A epidemia expôs de uma forma clara e violenta, para a qual contribui, o modelo de baixos salários, trabalho precário e o ataque aos direitos.

Alguns números ilustram o drama da situação social de como se vive e trabalha no distrito:

- Perto de 80 mil trabalhadores desempregados, o que corresponde a um aumento de 44% de desemprego no distrito de Lisboa;

- Quase metade (48%) dos inscritos não recebe subsídio de desemprego;

- 27.505 Empresas em Lay-off, corresponde a 24% das empresas que, no país recorreram ao Lay-off;

- Entre Março e Abril, mais de 260 famílias em Lisboa passaram a precisar de recorrer ao rendimento Social de Inserção (o que corresponde a mais de 30% das novas famílias que, no país, estão nesta situação).

Ver mais dados da situação Social no distrito aqui.

Trabalhadores na Azambuja Estão Em Luta Em Defesa da Saúde, Pelo aumento dos Salários e dos Serviços Públicos

A União dos Sindicatos de Lisboa/ CGTP-IN, o CESP - sindicato do Comercio Escritórios e Serviços de Portugal e o STRUP - Sindicato dos Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal irão realizar uma Conferência de Imprensa, no dia 24 de Junho junto à Sonae, no Espadanal da Azambuja, pelas 9h00, na AZAMBUJA, no Espadanal, para apresentar medidas urgentes para travar políticas que têm sido implementadas à boleia do COVID.

A epidemia expôs de forma clara e violenta os problemas estruturais do nosso país e da região de Lisboa: a manutenção e aprofundamento do modelo dos baixos salários, trabalho precário, e o ataque aos direitos dos Trabalhadores que associado, ao aumento do custo de vida, onde incluímos os bens essenciais e a habitação tem levado muitos trabalhadores e as suas famílias a situações de pobreza. A situação social no distrito de Lisboa tem vindo a agravar-se e amplia a realidade negativa do país. Exemplo particularmente preocupante é o desemprego (com um aumento de 34% no país, e de 44% no nosso distrito).

A situação vivida na Zona da Azambuja é um espelho particularmente nítido da situação vivida pelos trabalhadores, à qual acresce o facto de não se tomarem medidas para reforçar e melhorar os transportes públicos (mais inaceitável ainda num contexto de aumento de casos COVID 19)

Face à situação exposta na Conferência de Imprensa será apresentado o ponto de situação da situação pandémica vivida nas empresas da região, bem como um conjunto de propostas de medidas urgentes para travar as políticas que têm sido implementadas à boleia do COVID 19.

Mais Transportes Para Os Utentes Fim Do Lay-Off Para Os Trabalhadores

A União do Sindicatos de Lisboa, a FECTRANS e Comissões de Utentes, realizam no dia 24 de Junho um Concentração em frente à residência do 1º Ministro pelas 17h30.

A situação vivida na região de Lisboa, é preocupante num contexto de aumento de casos COVID 19, à qual acresce o facto de não se tomarem medidas para reforçar e melhorar os transportes públicos.

Considerando a importância do distanciamento social, como uma das medidas de saúde e segurança definidas pela DGS, os utentes dos transportes públicos vêem-se confrontados com uma oferta que não assegura o preconizado pelo Governo e pela DGS. Apesar da falta de oferta continuam na situação de lay-off milhares de trabalhadores das empresas privadas rodoviárias de passageiros, o que provoca uma diminuição inaceitável do número de autocarros em circulação.

Estas são algumas das razões de protesto dos utentes e dos trabalhadores! Uns porque são forçados a viajar em transportes sobrelotados; outros porque continuam com uma drástica redução dos seus salários e tudo isto, enquanto os grupos Barraqueiro/Arriva, Transdev e Arriva continuam a ser pagos como se estivessem a assegurar o serviço contratualizado antes da pandemia. Dito de outra forma, não efectuam os serviços a que estão obrigados com a conivência activa do governo.

Ler comunicado aqui.

A semana de luta terá uma grande expressão no distrito de Lisboa

Estamos em luta, desde o sector privado ao sector público

São já dezenas de acções, plenários, distribuições, iniciativas de contacto ou greves que se realizarão em variadas empresas e serviços, nomeadamente: DHL, Sicasal, CTT, Frismag, Rações Valouro, CASO, IPO, ETPC – logística, OTIS, Thissenkrupp, Orona, EGF, Parques Sintra- Monte da Lua, SUCH, Lidl, Pinto & Cruz, Visabeira, Enor, Kone, Minipreço, Novo Banco, Iberol, Biovegetal, Sotecnica, P. Doce, CC Colombo, Schindler, Schmitt, Hospital Santa Maria, obras de construção, IPSS`s, Segurança Social, Escolas, Empresas da industria tranformadora, no edifício central e bibliotecas da C. M. De Lisboa e acções de rua da Administração Pública e dos Transportes.

Para além destas iniciativas, que aumentarão certamente até ao final da Semana Nacional de Luta, a Uniao de Sindicatos de Lisboa decidiu realizar uma acção de luta convergente, com Concentração Rossio, no dia 25 de Junho, a partir das 16h, seguida de um desfile até á Praça do Município, observando-se todas as orientações da DGS.

Ver calendário das acções de rua aqui.

Privacidade

Está em... Home Acção Reivindicativa