Acção reivindicativa

SEP – Vigília em Frente ao Hospital de Santa Maria

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), realizou no passado dia 17 de Março, uma vigília em frente ao Hospital de Santa Maria. Esta iniciativa constituiu uma acção de denuncia e de exigência da negociação da carreira de Enfermagem, mas também, da necessidade da contabilização dos pontos para efeitos de progressão.

Nesta acção tivemos a oportunidade de ver e ouvir testemunhos concretos. Há enfermeiros com 20 anos de carreira a ganhar o mesmo que um colega acabado de sair da escola, .O problema da precariedade e da desregulação dos horários de trabalho e da dificuldade de muitos profissionais em conciliarem o trabalho com a vida pessoal e familiar, foram alguns dos exemplos partilhados por activistas sindicais, em frente ao Hospital de Sta. Maria. Esta iniciativa integra-se num conjunto de outras acções que, entretanto, já estão calendarizadas, na certeza de que a luta vai continuar.

A Luta Organizada nos Sindicatos da CGTP é a Vacina Contra o Vírus da Exploração

A Jornada de Luta Nacional da CGTP-IN, realizada no dia 25 de Fevereiro, teve a sua expressão em Lisboa, na Manifestação que decorreu entre o Cais do Sodré e a Assembleia da Républica. Foram muitos os trabalhadores que estiveram presentes empunhando pancartas, bandeiras dos sindicatos denunciando, a precariedade, os despedimentos, a retirada de direitos, a Interjovem levava vacinas da sindicalização como o melhor antídoto no combate ao vírus da exploração. Esta acção realizou-se, depois de quase um ano de pandemia.

Um ano em que se demonstrou a importância do Estado e dos Serviços Públicos, em que ficou claro o desastre da política de desinvestimento, corte nos salários e no número de trabalhadores, de negação dos direitos mais elementares à progressão e às carreiras profissionais.

Um ano em que ficou bem patente o resultado da submissão aos constrangimentos da União Europeia e do euro, de destruição do nosso aparelho produtivo, de entrega de empresas e sectores estratégicos aos grandes grupos económicos, do modelo de baixos salários e precariedade, com brutais consequências no acentuar das desigualdades já existentes, em que as mulheres trabalhadoras e os jovens são particularmente atingidos.

Um ano em que todos trabalhadores foram confrontados com uma brutal campanha que procurou incutir o medo para fragilizar direitos e cortar nos salários, em que o desemprego aumentou e foram destruídos mais de 100 mil postos de trabalho, em que a pobreza, nomeadamente a pobreza de quem trabalha, aumentou de forma inaceitável, com amplas camadas da população a ficar sem apoios face a novas realidades, a trabalhar sem a devida segurança e saúde no trabalho, em teletrabalho a dividir espaço e tempo com a família, enquanto que uma minoria, a minoria do costume, os que acumulam milhões de euros em lucros e dividendos, foram generosamente apoiados pelo Estado!

Um ano em que com a justificação da epidemia e à boleia das medidas desequilibradas do Governo, o patronato aproveitou para desregular horários, impor laborações contínuas e bancos de horas, roubar férias, chantagear e ameaçar os trabalhadores e despedir aqueles que têm vínculos precários, como se de peças descartáveis se tratassem.

A Secretária Geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha, na sua intervenção anunciou que a  luta vai continuar, a partir das empresas e locais de trabalho, na rua e terá já momentos de convergência nas acções da Semana da Igualdade, de 8 a 12 de Março, com iniciativas em todos os sectores e em todo o país, com expressão pública, com o lema “Defender a saúde, dignificar o trabalho, avançar na igualdade!” que assinalarão em luta o 8 de Março – Dia Internacional da Mulher e no dia 25 a Luta dos Jovens Trabalhadores.

No Final da manifestação foi aprovada uma resolução, por unanimidade e aclamação

Ler resolução.

Acção Pública de Exigência à Porta do Hospital Beatriz Ângelo

O SEP, promove uma Acção pública, no dia 25 de Fevereiro pelas 11h00 à porta do hospital Beatriz Ângelo.

Este Hospital Público integra o Serviço Nacional de Saúde (SNS), ainda que gerido em regime de Parceria Público Privada (PPP).

Nos hospitais PPP, e também neste, os enfermeiros são alvo de várias desigualdades e discriminações face aos restantes do SNS:

  • Não têm Carreira de Enfermagem nem Avaliação do Desempenho regulamentadas, mediante negociação;
  • Realizam 40 horas semanais e com regras de horários e retribuições piores que no SNS;
  • Têm menos direitos.

Leia mais aqui.

Novo Banco Promove Despedimento de Forma Persecutória

O SINTAF - Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira, realizou no dia 25 de Fevereiro, pelas 10h00, uma conferência de imprensa e concentração sobre o desrespeito pela Lei da Transmissão de Estabelecimento no Novo Banco e denunciando a perseguição sindical a um Delegado e Dirigente Sindical.

A União dos Sindicatos de Lisboa - CGTP- IN esteve presente para expressar o seu apoio e solidariedade ao Delegado e Dirigente Sindical que está a ser alvo de despedimento por Extinção da Empresa, em violação da Transmissão de Estabelecimento.

Ler a nota de imprensa aqui.

Semana de Acção e Luta Em todos os Sectores - 7 a 11 de Dezembro

 

O Conselho Nacional da CGTP-IN decidiu uma semana de “Acção e Luta em todos os sectores”, de 7 a 11 de Dezembro, sob o lema: Proteger os Trabalhadores! Aumentar salários! Garantir direitos!Em luta pelo emprego com direitos, contratação colectiva, 35 horas, reforço dos serviços públicos.

A pandemia do COVID-19, a crise sanitária que se arrasta e as consequências no plano económico e social, estão a traduzir-se num dos piores momentos de que há memória na vida dos trabalhadores e das suas famílias.

Neste quadro, impunham-se respostas firmes e determinadas de protecção dos trabalhadores, da salvaguarda da sua segurança e saúde, dos seus direitos e rendimentos. Mas não é isso que tem estado a acontecer, as medidas do Governo PS, são invariavelmente a favor do grande capital, e de uma cobertura escandalosa do aproveitamento que á boleia da pandemia, o grande patronato está a fazer para manter os seus lucros, aumentando a exploração dos trabalhadores, uma situação particularmente grave no distrito de Lisboa.  

O objectivo desta acção de luta é fazer convergir o maior número de acções a partir das empresas e locais de trabalho (greves, plenários, concentrações, manifestações) para esta semana.

Vamos fazer do dia 11 uma grande jornada de luta!

Acção De Luta Nacional Em Lisboa Traz À Rua Milhares De Trabalhadores!

No dia 26 de Setembro a CGTP-IN levou a cabo a Jornada Nacional de luta em Lisboa, contou com a participação de muitos trabalhadores e ativistas sindicais que desfilaram a partir do Cais do Sodré e do Rossio até à Pça. do Comércio. 

A luta pelo emprego, pelo salário pelos direitos tem sido uma luta constante, ainda mais quando milhares de trabalhadores foram despedidos e outros estão em risco de o ser, apesar dos milhões de fundos públicos que foram disponibilizados para as grandes empresas, retirando verbas à conta da Segurança Social. A defesa do emprego e a luta contra a precariedade é uma prioridade de luta. 

Na intervenção proferida pela Secretária Geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha reafirmou a importância que tem a redução do horário de trabalho para as 35 horas semanais e a necessidade de se revogar as normas gravosas do código do trabalho, nomeadamente a da implementação do banco de horas grupal. 

Face ao actual contexto económico e social o aumento geral dos salários por via da contratação colectiva, a valorização do trabalho e dos trabalhadores são fatores determinantes para a melhoria das condições de vida e para o desenvolvimento do país. 

No final da manifestação foi aprovada uma resolução, que contém 13 reivindicações imediatas e onde é assumido o compromisso de continuar a luta, reforçando a organização e a unidade entre todos os trabalhadores, de tomar nas nossas mãos a defesa e valorização do trabalho e dos trabalhadores, a conquista de um país desenvolvido e soberano. 

Acção De Luta Nacional - Aumentar Os Salários! Desenvolver O País

O Conselho Nacional da CGTP-IN, decidiu realizar no dia 26 de Setembro, Sábado, uma Acção de Luta Nacional, (descentralizada) em todos os distritos e nas regiões autónomas sob o lema “Aumentar os salários! Desenvolver o País.”

Em Lisboa, a manifestação irá ter duas pré-concentrações – Cais do Sodré (Concelhos de Setúbal) e no Rossio – distrito de Lisboa, pelas 14h30 até ao Terreiro do Paço.

Esta acção assume particular importância quando assistimos a um fortíssimo ataque aos trabalhadores e aos seus direitos que conjugado com o agravamento da situação económica requer por parte dos trabalhadores uma forte dinâmica reivindicativa como resposta a acção do patronato que tenta impor cortes nos salários, impor o Banco de Horas e despedir trabalhadores.

Face à situação é urgente e necessário o aumento geral das pensões e dos salários, a fixação do SMN a curto prazo em 850 euros e a valorização das carreiras e profissões; a garantia do emprego e do combate à precariedade; a dinamização da contratação colectiva são reivindicações importantes tanto para os trabalhadores como para a dinamização da economia e o desenvolvimento do país.

Na resolução do C.N salienta que esta acção de luta “visa expressar a determinação dos trabalhadores para romper com o novo ciclo de incremento à exploração” ... “é preciso dar centralidade à valorização do trabalho, como factor determinante para a melhoria das condições de vida e de trabalho, bem como para o futuro do país”.

Ler Resolução.

Posição Da CGTP-IN Sobre O Pagamento Da Retribuição Das Férias Em Situação De Lay-Off

A CGTP-IN toma posição, na sequência da publicação do “Esclarecimento da DGERT e ACT sobre as férias gozadas durante o período de aplicação do lay-off’, no qual estas entidades emitiram um conjunto de considerações sobre os efeitos do “Lay-off” no exercício do direito a férias, e tendo em conta a opinião veiculada a respeito do pagamento da retribuição das férias. A CGTP refere no seu documento que o “esclarecimento” feito por estas duas entidades, identificaram uma lacuna onde ela no existe, pois se o regime excepcional não prevê os efeitos do “lay-off” quanto a retribuição das férias, é porque o legislador pretendeu que esses efeitos não existiriam”.

Ler nota aos OCS da CGTP-IN.

Os Trabalhadores Do Lidl Lutam Contra A Redução De Horário E De Salário

O Lidl transforma redução temporário do horário e do salário em definitiva, penalizando os trabalhadores em mais de 150 euros por mês. Em Maio o Lidl pediu aos trabalhadores do seu Entreposto de produtos não alimentares que reduzissem a carga horária, temporariamente, de 40h para 32h semanais, com a consequente redução salarial de 150 euros.

O argumento utilizado pela empresa.... "se assim não fosse teria de haver despedimentos" ou nunca mais os trabalhadores seriam promovidos" a generalidade dos trabalhadores aceitou.

Os trabalhadores posteriormente pediram uma adenda ao contrato e verificaram que tinham sido enganados, porque a redução da carga horária. Face à situação os trabalhadores estiveram em greve no Entreposto de Porto Alto, no dia 20 de Julho.

Leia mais aqui.

Privacidade

Está em... Home Acção Reivindicativa