AUMENTO DA IDADE DA REFORMA

farpil_murpi_pc_londresPara a CGTP-IN, o aumento da esperança média de vida é, para todos os efeitos, um progresso da humanidade que, a par dos benefícios em que inegavelmente se traduz, convoca novos desafios para os quais a sociedade, como um todo e de forma solidária, deve encontrar respostas e soluções. O pressuposto de que o aumento da esperança média de vida é uma questão exclusiva dos trabalhadores, que só estes devem suportar, é insustentável e inaceitável.

 

Ler comunicado de imprensa da CGTP-IN

CGTP-IN ENTREGOU MAIS DE 89 MIL ASSINATURAS EM DEFESA DAS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO

entrega_assinatura_dfseCom a assinatura de 89.052 cidadãos, a Petição “Em Defesa das Funções Sociais do Estado consagradas na Constituição da República” foi entregue à Presidente da Assembleia República por uma delegação da CGTP-IN que incluía o respectivo Secretário-geral, Arménio Carlos. Na audiência, realizada no dia em que se assinala o aniversário da Constituição da República Portuguesa, foi também apresentada a visão desta central sindical quanto ao futuro do Estado Social. A anunciada intenção do Governo de reduzir 4 mil milhões de euros nas funções sociais do Estado, a concretizar-se, representaria um retrocesso social e civilizacional e o cerceamento de algumas das mais importantes conquistas inscritas na Constituição da República Portuguesa. 

A CGTP-IN, para além da denúncia e recusa que tais intenções merecem apresentou, em tempo oportuno, um conjunto de propostas alternativas que permitem conciliar a redução do défice orçamental e o pagamento da dívida, com o crescimento económico, a criação de emprego, o direito à saúde, educação e à segurança social, bem como o combate ao empobrecimento das famílias.

Manifesto em defesa das funções sociais do Estado 

Petição - Em defesa das funções sociais do Estado consagradas na Constituição da República

  

MANIFESTO EM DEFESA DAS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO VAI AO ENCONTRO DOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR

dfse_cidade_universitariaUm grupo de trabalho composto pela União dos Sindicatos de Lisboa o SPGL, CESP, STAL e o SINTAB estiveram hoje, dia 21 de Fevereiro, junto à Cantina da Cidade Universitária com o intuito de dar a conhecer aos estudantes da Universidade de Lisboa o Manifesto em Defesa das Funções Sociais do Estado, para o qual a CGTP-IN têm vindo a recolher um grande número de assinaturas junto dos trabalhadores, da juventude, reformados e pensionistas bem como das populações.

Porque a Educação Pública e Democrática, conquista do povo português na revolução de Abril, é um dos três eixos fundamentais sob os quais assentam as Funções Sociais do Estado o que o Governo PSD/CDS está a pôr em causa é, através da política de austeridade e com o pretexto de não haver dinheiro para o Estado as suportar, reduzir o acesso a este pilar fundamental de qualquer sociedade.

A Educação tem de ser garantida e gerida pelo Estado, e tendencionalmente gratuita como consagra a Constituição, tal não acontecendo além de por em causa a Escola Pública e Democrática de Abril, irá elitizar o ensino empurrando um grande número de jovens para determinadas profissões condicionando o seu acesso ao ensino superior. Elitizar o ensino irá prejudicar a formação global do indivíduo e impedirá que os filhos das famílias com menos condições económicas possam prolongar os seus estudos.

Assina aqui a Petição em Defesa das Funções Sociais do Estado.

CARTÃO REFEIÇÃO DELAPIDA A SEGURANÇA SOCIAL!

cartao_refeicao_cgtpCartão-refeição é grande negócio para os “lobies” da Banca e empresas de comercialização de “tickets”. Mas delapida a Segurança Social dos trabalhadores e contribui para a redução da protecção social e das pensões de reforma de amanhã. O Governo incluiu no Orçamento de Estado para 2013 uma medida que visa alterar o montante dos subsídios de refeição que fica sujeito a tributação fiscal, de forma a propiciar mais uma área de negócio altamente rentável para o “lobye” bancário dos cartões e empresas de comercialização de “tickets”. Ao reduzir para 4,27 € o valor do subsídio isento de tributação, quando é pago em numerário, enquanto a isenção é 6,83 €, no caso de ser pago em cartão ou ticket, o Governo quer fazer crer que é uma medida com igual “vantagem” para trabalhadores e empresas. Nada mais falso! Para os trabalhadores não se obtém qualquer vantagem desta medida quando a sua consequência é a delapidação da segurança social.

Mais informações no sítio da CGTP-IN.

Mais... CARTÃO REFEIÇÃO DELAPIDA A SEGURANÇA SOCIAL!

O 1º ANO DE TROIKA EM SLIDES

mini-eugenioO economista Eugénio Rosa, ilustra os impactos na economia e na sociedade portuguesa, no momento em que se assinala 1ano de “Troika”.

Os "slides “ revelam um conjunto de dados oficiais organizados de forma a se poder ter rapidamente uma visão global clara da situação económica, e suas consequências sociais, e previsível evolução futura que a aplicação da terapia de choque contida no “Memorando” está a causar ao país.

VER SLIDES

UM PAÍS EM RECESSÃO, MAIS POBRE E COM MAIORES E MAIS DESIGUALDADES SOCIAIS

Um ano de “troika” e de política PSD / CDS = um país em recessão, mais pobre e com mais e maiores desigualdades sociais; um país com mais de 1,2 milhões de desempregados, dos quais mais de 860 mil sem qualquer apoio social e um em cada três jovens desempregado.

A CGTP-IN propõe:

• Uma política económica para o crescimento e o emprego;

• Um combate ao desemprego e a não promulgação do Código do trabalho;

• Um estímulo à procura interna;

• Um reforço da protecção social

Ler documento distribuído na conferência de imprensa da CGTP-IN

Ler documento do Gabinete de Estudos da CGTP-IN

FEIRA DO LIVRO NA CGTP A 23 DE ABRIL

cartaz_expo_livroNo âmbito do Dia Mundial do Livro, a CGTP-IN, através do seu Departamento de Cultura e Tempos Livres, promove, no próximo dia 23 de Abril de 2012, das 09:30 às 12:30 horas e das 14:00 às 17:30 horas, no R/C da sua Sede, na Rua Victor Cordon Nº1 em Lisboa, uma Feira do Livro. Nesta Feira estarão disponíveis para venda algumas edições publicadas pela CGTP-IN e outras para oferta, editadas ou não por esta Central.

Está em... Home Políticas Sociais