TRIBUNA PÚBLICA PELA MODERNIZAÇÃO DA LINHA DE CASCAIS - EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTES

tribuna pública modernização linha cascaisA iniciativa que hoje tomou lugar no Cais do Sodré, junto ao interface CP/Metro, visou esclarecer e informar os utentes para o problema da degradação em que se encontra a linha de Cascais. A linha de cascais é uma das linhas mais rentáveis da CP e é o único transporte público estruturante para as populações e trabalhadores dos concelhos de Oeiras e Cascais e assume  uma particular importância para a zona ocidental da cidade de Lisboa. A supressão de Comboios nas horas de ponta, acarreta grandes problemas para muitos trabalhadores.

Os presentes nesta esta acção defenderam, e continuarão a fazê-lo, o serviço público de transporte, neste caso em particular o ferroviário. Reafirmaram portanto que é preciso juntar esforços e unir os trabalhadores do sector e utentes, em torno da modernização linha de Cascais e da defesa do serviço público de transportes. A linha de Cascais precisa urgentemente de investimento pois está em causa a mobilidade e a segurança dos trabalhadores e dos utentes.

tribuna pública modernização linha cascaisNum contexto e numa região em que cresce e se generaliza o número de trabalhadores com horários atípicos (tempo parcial, turnos, etc.) e que, como tal fazem a sua jornada de trabalho fora das denominadas horas de ponta, é de destacar o modo como estes são altamente prejudicados pela alteração dos horários dos comboios da CP impôs no inicio do ano passado, nomeadamente o facto de todos os comboios fora das denominadas horas de ponta passarem a parar em todas as estações. Deste modo, para um numero significativo destes trabalhadores, as alterações significaram mais 11 minutos por viagem, o que perfaz mais 22 minutos por dia gastos no seu trajecto casa/trabalho/casa. Ao fim de semana falamos de quase 2 horas.

 

tribuna pública modernização linha cascaisNesta de tribuna de denúncia mas também de proposta, participaram várias organizações, a União dos Sindicatos de Lisboa, a Federação dos Sindicatos de transportes e comunicações (FECTRANS), o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF) e o Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP). Esta iniciativa terminou com a intervenção de Arménio Carlos, Secretário-geral da CGTP-IN.