Solidariedade

Não à agressão à Venezuela Salvaguardar a paz e a soberania

No dia 3 de Maio, um grupo de mercenários, partindo da Colômbia, tentou entrar ilegalmente em território da República Bolivariana da Venezuela para aí desencadear ações de carácter terrorista.

A tentativa de agressão foi gorada pela ação das forças militares venezuelanas, das populações e de grupos de defesa popular, tendo sido detidos vários mercenários, entre os quais dois antigos militares norte-americanos atualmente a prestar serviço a uma empresa de mercenários sediada na Florida (EUA).

Esta nova tentativa de agressão enquadra-se nas ameaças de intervenção militar que há muito vêm sendo feitas contra a Venezuela pelos EUA, com o apoio da Colômbia e de sectores golpistas da oposição venezuelana; e seguem-se ao recente reforço da presença militar norte-americana junto a águas territoriais venezuelanas, sob o pretexto da denominada ‘luta contra o narcotráfico’, como antes foram usados outros pretextos pelos EUA para as suas guerras de agressão, igualmente falsos e provocatórios.

Estes acontecimentos mostram que, apesar da situação causada pela pandemia da Covid-19 – com particular consequências nos próprios EUA –, a ação de agressão contra a Venezuela não só não cessa como se incrementa. As denúncias que vinham sendo feitas sobre a preparação de grupos de mercenários e intentos terroristas contra a Venezuela, apoiada e financiada pela Administração Trump, confirmam-se.

Saudando a pronta ação da união cívico-militar venezuelana que fez gorar esta operação de cariz terrorista, as organizações subscritoras condenam a agressão dos EUA contra a República Bolivariana da Venezuela e o povo venezuelano e denunciam os planos dos que tentam promover a violência para desestabilizar este país e saquear as suas riquezas.

Empenhadas na defesa da paz, da soberania, do direito internacional, as organizações subscritoras:

- reafirmam a exigência de levantamento de todas as ilegais e criminosas medidas unilaterais e coercivas impostas pelos EUA contra o povo venezuelano;

- denunciam os intentos agressivos da Administração Trump e reclamam o fim imediato de qualquer ação política, diplomática, económica ou militar, direta ou indireta, contra a soberania da República Bolivariana da Venezuela;

- exigem do Governo português uma clara tomada de posição de distanciamento e repúdio da ingerência, bloqueio económico e ameaça ou ação militar contra a Venezuela e o povo venezuelano, que são também contra a comunidade portuguesa que vive neste país.

Organizações subscritoras (em atualização):

  • Associação de Amizade Portugal – Cuba (AAPC)
  • Associação Intervenção Democrática (ID)
  • Associação Portuguesa de Amizade e Cooperação Iúri Gagárin
  • Associação Portuguesa de Juristas Democratas (APJD)
  • Associação Portuguesa de Juristas Democratas (APJD)
  • Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN)
  • Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI)
  • Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto  (CPCCRD)
  • Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC)
  • Ecolojovem – Os Verdes
  • Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT)
  • Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (FIEQUIMETAL)
  • Juventude Comunista Portuguesa (JCP)
  • Movimento Democrático de Mulheres (MDM)
  • Sindicato dos Professores da Região Centro
  • Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML)
  • União dos Sindicatos de Lisboa (USL)
  • União dos Sindicatos do Distrito de Leiria (USDL)

Pela Paz ! Não à guerra contra o Irão!

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) organiza, no próximo dia 16 de Janeiro pelas 18h30, na Casa do Alentejo em Lisboa, a sessão “Irão na Mira dos EUA”, onde será abordado o aumento da tensão provocado pelo assassinato do general iraniano Qassem Suleimani, levado a cabo pelos EUA, no passado dia 2 de Janeiro.

O assassinato do general iraniano, cuja ordem partiu diretamente de Donald Trump, foi um ato de guerra destinado a escalar ainda mais o conflito no Médio Oriente e na Ásia Central. Insere-se na ofensiva contra o Irão, expressa na retirada dos EUA do «Acordo Nuclear», no regresso das sanções e dos bloqueios e nas constantes ameaças de agressão militar. Este atentado é mais um exemplo que demonstra serem os EUA a principal ameaça à paz, quer no Médio Oriente e Ásia Central como em todo o mundo.

A sessão terá a participação de José Goulão (CPPC), Carlos Almeida (Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente) e Gustavo Carneiro (CPPC).

Contamos com a vossa presença.

SIM À PAZ NÃO À NATO – CONTRA A CIMEIRA DA NATO

Realizou-se a 9 de Julho, em Lisboa, o acto público pela Paz e contra a NATO – bloco político-militar que realiza, nos dias 10 e 11 de Julho, a sua Cimeira em Bruxelas.

Várias centenas de pessoas desfilaram rejeitando que o governo coloque mais dinheiro na NATO e na indústria de armamento em detrimento dos salários e pensões dos trabalhadores e dos seus direitos; em detrimento do urgente investimento na saúde, na educação, na justiça, em infra-estruturas e na cultura. Entoando Paz Sim! NATO Não! pelas ruas de Lisboa, os participantes denunciaram os crimes da NATO e os perigos desta que é a maior ameaça à paz no mundo.

A CGTP-IN foi uma das mais de 40 organizações que subscreveram o apelo e participaram no acto público, onde se exigiu a dissolução da NATO, o fim da corrida aos armamentos e das bases militares estrangeiras, o desarmamento geral e controlado e o respeito por parte das autoridades portuguesas, dos princípios constitucionais, nomeadamente com o estabelecimento de um política externa de paz e cooperação.

A situação do país e do mundo colocam em evidência que a luta pela Paz é indissociável da defesa dos direitos e rendimentos dos trabalhadores e da valorização do trabalho.

BASTA DE CRIMES! NÃO À PROVOCAÇÃO DE TRUMP! LIBERDADE PARA A PALESTINA! PAZ NO MÉDIO ORIENTE!

A União dos Sindicatos de Lisboa e um conjunto vasto de organizações promoveram no dia 14 de Maio, no Largo Camões, em Lisboa, uma concentração onde: 

- exigiram a condenação da política de colonização, limpeza étnica, ocupação e repressão, praticada por Israel contra o povo palestino desde há 70 anos;

-  exigiram  a paz no Médio Oriente, pondo fim às catástrofes geradas pelas guerras deste último quarto de século;

- protestaram contra o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel e a transferência para aí da sua embaixada;

- reclamaram do Governo Português que, nos fóruns em que participa, defenda o direito internacional e as resoluções da ONU respeitantes à Palestina e que reconheça formalmente o Estado da Palestina com capital em Jerusalém Oriental.

MAIS DE 150 ARTISTAS SOLIDÁRIOS COM OS TRABALHADORES DA EX-TRIUMPH!

As trabalhadoras (es) da TGI (Têxteis Gramax Internacional), ex-Triumph Internacional, foram confrontadas com a declaração de insolvência por parte da administração, estando com salários e complementos em atraso desde Novembro de 2017. Foi anunciado publicamente a realização de um concerto em solidariedade com estas trabalhadoras, organizado pela União dos Sindicatos de Lisboa/CGTP-IN e Sindicato dos Têxteis do Sul, com o apoio da Câmara Municipal de Loures, a realizar-se no próximo dia 18 de Fevereiro (domingo), às 16h, no Pavilhão do Sport Clube Sacavenense.

Realizou-se hoje, 7 de Fevereiro, uma Conferência de Imprensa para apresentação do Cartaz.

Estiveram presentes na Conferência, para além de uma delegação de trabalhadoras da Ex-Triumph, Bernardino Soares, Presidente da Câmara Municipal de Loures, Libério Domingues, coordenador da União dos Sindicatos de Lisboa e Manuela Prates do Sindicato dos Têxteis do Sul.

Neste concerto estão envolvidos cerca de 160 artistas que, no dia 18 Fevereiro, participarão no Concerto Solidário, contribuindo e alargando a onda de solidariedade entretanto desenvolvida com estas trabalhadoras.

 MÚSICOS E BANDAS PARTICIPANTES:

 ·       A.P. Braga

·       António Saiote e Ensemble de Clarinetes

·       Banda de Musica da Academia Recreativa Musical de Sacavém

·       Bombrando – Grupo de Percussão

·       Celina da Piedade

·       Coro da ANALOR - Associação dos Naturais e Amigos de Loriga

·       Coro da Liga dos Amigos das Minas de S. Domingos

·       Duarte

·       Ezequiel Ferreira

·       Fast Eddie Nelson

·       Hill's Union

·       Hornamental

·       Jorge Rivotti

·       Luísa Amaro

·       Manuel Teixeira

·       Marília de Sousa

·       Orquestra Ligeira da Sociedade 1º de Agosto Santa Iriense

·       Peste e Sida

·       Samuel

·       Sebastião Antunes

·       Tonecas Prazeres

·       Vitorino

APRESENTAÇÃO: Cândido Mota e Mafalda Santos

A entrada é gratuita.

CONCERTO SOLIDÁRIO COM TRABALHADORAS DA EX-TRIUMPH

CONCERTO SOLIDÁRIO COM AS TRABALHADORAS

DA EX-TRIUMPH

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

(Apresentação do Cartaz e Artistas Participantes)

7 de Fevereiro - 11h30

Sede da União dos Sindicatos de Lisboa

(Av. Engº Arantes e Oliveira, nº5 Sobreloja D, Olaias)

Depois do anúncio público do concerto organizado pela União dos Sindicatos de Lisboa/CGTP-IN e Sindicato dos Têxteis do Sul, com o apoio da Câmara Municipal de Loures, em solidariedade com as trabalhadoras da ex-Triumph, a realizar-se no próximo dia 18 de Fevereiro (domingo), às 16h, no Pavilhão do Sport Clube Sacavenense,  realiza-se amanhã uma Conferência de Imprensa.

ATO PÚBLICO DE SOLDARIEDADE COM A PALESTINA É HOJE!

É HOJE! DIA 31.01. FRENTE À EMBAIXADA DE ISRAEL! NÃO FALTES!

 

Está em... Home Solidariedade