Automação E Teletrabalho - Tempos E Ritmos Da Ofensiva! Trabalho Com Direitos!

No dia 16 de Julho a CGTP-IN promoveu um debate em lisboa, sobre teletrabalho e a automação. A Iniciativa contou com a participação de Joaquim Dionísio, advogado, que fez um enquadramento do teletrabalho em termos da legislação de trabalho e da constituição, alertou para os perigos da individualização da relação de trabalho.

A saúde mental dos trabalhadores em teletrabalho, foi um tema abordado pelo médico psiquiatra Dr. Manuel Jara, que alerta para o perigo dos trabalhadores não desligarem, dos malefícios da ausência de relações sociais, e da importância do local de trabalho, a sua não frequência, potencia a desvinculação do local e da empresa. Chamou a atenção sobre informação e comunicação produzida sobre este assunto, está feita para sugestionar as pessoas para a Inevitabilidade do teletrabalho, quando não tem de ser assim.

O Professor Rogério Reis, falou-nos sobre as contradições que podem emergir nas relações laborais com a digitalização e automação do processo produtivo. Na sua comunicação falou-nos da importância automação como esta libertou-nos das más condições de trabalho, mas também é importante lembrou, “quem detém os meios de Produção é quem lucra!”

Isabel Camarinha Secretária Geral da CGTP-IN, encerrou o debate valorizando o contributo da discussão e que a CGTP tem posição e é muito clara, seja esta sob a forma de automação, digitalização ou aposta na inteligência artificial: a tecnologia, em si fruto do trabalho, deve ser colocada ao serviço dos trabalhadores e das suas condições de vida e de trabalho, ao serviço do desenvolvimento soberano do país, dando um contributo para a promoção da coesão social e territorial.

Ler intervenção da Secretária Geral.

Solidariedade Com Os Trabalhadores Do Pingo Doce

Contra a Implementação do Banco de Horas Grupal

A União dos sindicatos de Lisboa / CGTP-IN solidariza-se com a luta travada pelos trabalhadores do Pingo Doce e do seu sindicato de classe o CESP, na acção de  denúncia no dia 15 de Julho, junto ao Pingo Doce de Alcântara, das 11h00 às 13h00, contra a tentativa de implementação do Banco de horas Grupal e contra o clima de chantagem e ameaça a que os trabalhadores estão a ser sujeitos neste processo.

Esta acção realiza-se após ter sido comunicado pela empresa Pingo Doce/JMR aos trabalhadores e ao CESP que vai avançar com o referendo, de 16 Julho a 3 de Agosto, para a implementação do banco de horas grupal nas lojas Pingo Doce, logística da Jerónimo Martins e nas fábricas de massa fresca a nível nacional.

Travar a implementação dos Bancos de horas é um objectivo fundamental para todo o Movimento Sindical Unitário.

Não aceitamos que num processo, totalmente organizado e controlado pela empresa, que pode ser decidido apenas com a "concordância" de 65% dos trabalhadores, fora do âmbito da negociação colectiva, a empresa "force" os trabalhadores a escolherem períodos de trabalho alargados, sem qualquer compensação remuneratória, comprometendo a conciliação entre a vida pessoal e familiar e a vida profissional.

O CESP tem estado em centenas de locais de trabalho a realizar acções de esclarecimento e sensibilização para a importância de os trabalhadores votarem Não!

As implicações desta medida na vida dos trabalhadores serão gravíssimas.

Hoje são os trabalhadores do Comércio amanhã poderão ser outros trabalhadores de qualquer sector de actividade.

Esta Iniciativa vai contar com a representação de sindicatos do distrito e com a Secretária Geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha.

SCOTTURB Despede E Abre Concursos De Admissão

A gerência da Scotturb despediu os trabalhadores com vínculos precários (contractos a prazo) embora mantenha abertas candidaturas para admissão de trabalhadores com a mesma categoria dos que mandou embora – motorista de serviço público.

Esta situação torna claro que a empresa tem falta de motoristas, logo todos os que estavam ou estejam com contractos a prazo, estão a ocupar postos de trabalho logo permanentes, logo esses contractos são ilegais e os trabalhadores deviam e devem ter vínculos efectivos à empresa e, desde já, é obrigação legal dos donos da Scotturb readmitir os trabalhadores que despediu com o argumento do fim do contrato a prazo.

A ACT - Autoridade para as Condições de Trabalho tem sido chamada a intervir, mas sem eficácia, porque permite que a gerência da empresa mantenha estas práticas ilegais.

Leia mais aqui.

CP Mantém Recusa Da Reabertura Dos Bares Dos Comboios E Empurra 120 Trabalhadores Para Um Despedimento Colectivo

A CP - Comboios de Portugal, mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades e não indica nenhuma data para o fazer, pelo contrário, admite junto da concessionária Risto Rail, pertencente ao grupo LSG/Lufthansa, que não precisa mais do serviço.

A Risto Rail acusa a CP de não lhe pagar o serviço desde Março, de ter dificuldades de pagar o salário de julho aos seus 120 trabalhadores e de estar a ponderar um despedimento colectivo.

Está agendada uma reunião entre a Risto Rail e a FESAHT para dia 14 do corrente, pelas 9:30 horas, na estação de Santa Apolónia para melhor analisar a situação onde, pelas 11 horas, será dada uma conferência de imprensa.

Entretanto, a FESAHT vai requere uma reunião no Ministério do Trabalho com a Risto Rail, administração da CP e Ministério das Infra-estruturas para analisar a situação.

Barraqueiro Anuncia Lay-Off Ilegal

O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Urbanos de Portugal, (STRUP/FECTRANS) denunciam a intenção da Barraqueiro Transportes (BT), que se encontra actualmente em regime de “lay-off” simplificado e que só termina no final do mês de Julho, não podendo antes disso accionar o mecanismo conforme previsto no Código de Trabalho. No entanto a BT anunciou a intenção de accionar o mecanismo de lay-off previsto no Código do Trabalho, pelo período de 9 (nove) meses a partir de 1 de Agosto e abrangendo 770 trabalhadores, colocando 170 trabalhadores com suspensão de contracto e 600 com redução de horário, o que lhes permite manter a situação de redução de salários e passar a maior parte dos encargos com pessoal para a Segurança Social.

O Sindicato lembra que o Estado continua a pagar a estas empresas, mas sem capacidade de as obrigar a retomar a sua actividade normal que garanta transporte em quantidade e em conformidade com as regras impostas pela DGS para protecção de trabalhadores e utentes e por isso elas continuam imobilizadas, à espera de mais dinheiro.

Leia mais aqui.

Trabalhadores Do Pingo Doce Estão A Ser Ameaçados Caso Votem Contra O Banco De Horas

O CESP está a receber denúncias de vários trabalhadores, de várias lojas do país, que as chefias estão a ameaçar os trabalhadores que, caso estes votem contra o Banco de horas grupal, não vão receber o prémio anual.

Esta situação só vem dar razão ao sindicato quando denunciamos que o referendo ao ser feito através de uma plataforma digital, monitorizada por uma empresa externa, vai permitir à empresa saber quem foram os trabalhadores que votaram e o que votaram.

Leia mais aqui.

Trabalhadora Do SUCH Trabalhou Durante Uma Semana Com Sintomas De COVID-19

O Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Curtumes do Sul, após ter tomado conhecimento de uma trabalhadora do SUCH - Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, da lavandaria Central de Lisboa, da zona limpa (calandras), ter testado positivo para COVID-19 na passada segunda-feira, dia 29 de Junho, após ter estado durante uma semana com sintomas.

Face à situação o sindicato dos têxteis solicitou à administração da empresa informação, sobre as medidas que estão a ser implementadas no sentido de salvaguardar a saúde dos trabalhadores, dos seus familiares e dos doentes hospitalizados, considerando que o local onde a trabalhadora estava é um espaço onde a roupa é expedida para os hospitais, o sindicato deu também conhecimento à Direcção-Geral da Saúde acerca do ocorrido. Até ao momento não obteve qualquer resposta.

Ler nota aos OCS.

Privacidade

Está em... Home Emprego